Mulher jovem com dor checando sua temperatura em um termômetro digital.

Febre e dor: Por que os dois sintomas estão, muitas vezes, relacionados?

Em algumas situações ao sentirmos dor, a febre pode vir em seguida; outras vezes, o que ocorre é o contrário: a febre aparece e, a seguir, surge a dor no corpo. É frequente a relação entre os dois sintomas em diversas doenças [1]. A questão é: por que essa relação existe? Para descobrir por que isso acontece e quais são as principais causas, conversamos com o infectologista e especialista em clínica médica Bruno Scarpellini que explica mais sobre os dois sintomas e esclarece as principais dúvidas acerca do tema. 

Febre e dor são desencadeadas pelo mesmo agente


Segundo Bruno, a febre e a dor são desencadeadas no cérebro pelo mesmo agente: o sistema imune. [2] “Quando temos febre, liberamos substâncias (citocinas) via nosso sistema de defesa (sistema imune, especificamente por células chamadas macrófagos) para combate ao agressor. Essas substâncias facilitam a liberação de outras substâncias (prostaglandinas) que atuam no centro termorregulador do cérebro, fazendo com que a temperatura do corpo se eleve. Normalmente, as citocinas quando liberadas no sangue chegam até o cérebro, informando de que algo de errado está ocorrendo, desencadeando o sintoma”, explica o médico. A febre e a dor, portanto, estão integradas ao processo inflamatório, uma resposta do corpo de que algo está errado. [3]

Um sintoma pode ser consequência do outro


Muitas pessoas entendem a dor e a febre como sintomas isolados, mas na verdade um sintoma pode ser consequência do outro, por conta das substâncias liberadas pelo sistema imune. “Quanto mais alta a febre, maior a tendência de ter dor, seja pelo excesso de liberação de substâncias de defesa e inflamatórias, ou por outros fatores, como a desidratação” , explica. É o caso da gripe, por exemplo, em que os primeiros sintomas podem ser febre e dor intensa. [1] Embora possa parecer, esses dois sintomas juntos não indicam que o caso seja mais ou menos grave, como esclarece Bruno: “Não existe relação direta de dor e febre com a gravidade do quadro”. 

Analgésico e antipirético podem auxiliar


Os analgésicos mais comuns, como a dipirona, por exemplo, também atuam como antitérmicos, e existe uma explicação. “Substâncias como a dipirona atuam no bloqueio da via da prostaglandina no sistema nervoso central, que está intimamente ligada com o desenvolvimento de dor e febre, explica Bruno. Porém, o ideal é fazer uso deles em caso de febre, dor com desconforto intenso, e não como primeiro recurso [4].


Médico entrevistado:


Dr. Bruno Correia Scarpellini 
CRM-SP: 138282

Código ZINC: SABR.CDPM.20.06.0776
 

TAGS : Febre

Matérias relacionadas

  • Mãe cuidando de seu filho doente | Miniatura | Pronto Passou
    febre
    2021-02-22DD.MM.YY
    Febre em criança: conheça as principais causas e riscos desse sintoma comum na infância
  • Quem nunca correu pra emergência quando viu seu bebê com febre? Mas será que é necessário? Vem ver!
    febre
    2021-01-11DD.MM.YY
    Febre em bebê é sempre uma emergência?
  • Criança tomando banho gelado | Sanofi
    febresaúde infantil
    2020-11-27DD.MM.YY
    Por que um banho frio para baixar a febre pode ser desconfortável?